sexta-feira, 12 de outubro de 2012

O Jardim



Bem-me-quero, mal-me-quero, bem-me-quero, mal-me-quero...

 


“quantas cores,
quantos aromas,
 quantos amores...
inúmeros, inúmeros.”






TESTE-BASE


Antes de começarmos, apresento a você um teste. É como aqueles que você fazia lendo revistas de adolescente, onde tinha que marcar se preferia fazer compras no shopping ou no supermercado e no fim mostrava um resultado dizendo que você é uma pessoa legal e comunicativa.
Sem pensar muito, marque a alternativa que primeiro vier à cabeça. A primeira coisa que vier à cabeça, hein? Seja honesta!



1)     Quando um amigo te liga, antes de atender você pensa:
a.     Oba, uma ligação!
b.     Ai, que saco!
c.     O que será que ele(a) quer dessa vez?


2)    Quando percebe que vai passar o fim de semana em casa com sua família, o que vem à mente:
a.     Oba, mais tempo juntos!
b.     Ai, que saco!
c.     O que vão cobrar de mim dessa vez?

3)    Quando você vai ao médico?
a.     Quando sente muita dor
b.     Em check-up anual
c.     Quando vai fazer seleção de emprego

4)    No trabalho, quando você não recebe um elogio por um serviço ao qual se dedicou, você pensa:
a.     Na próxima vez eu vou me esforçar ainda mais.
b.     Ai, será que não ficou bom?
c.     Quer saber, vou é cruzar os braços a partir de agora



5)    Quando você mais pensa em uma força superior?
a.     Quando para pra admirar a natureza
b.     Quando precisa de um desejo realizado
c.     Ao acordar

6)    Qual desses cantores você prefere:
a.     Leonardo
b.     Djavan
c.     Lady Gaga

7)    Qual desses pratos você mais gosta:
a.     Macarrão
b.     Arroz, feijão, bife e batata-frita
c.      Petit gateau

8)    Para qual desses lugares você gostaria de ir agora:
a.     Uma praia no nordeste
b.     Um lugar isolado no meio da floresta
c.     Um café em Paris.


O resultado do teste será encontrado no texto a seguir =>


APRESENTAÇÃO


O jardim das margaridas foi um texto escrito por mim em 1999 para participar da semana cultural no colégio em que eu estudava. Ganhei pontos para a aula de português, mas não ganhei o concurso da tal semana cultural.

Ter perdido essa seleção de trabalhos fez muito bem para mim, pois, ainda menino, tive que aprender a lapidar textos de modos variados. A partir daí compreendi que o mundo se dividia em dois: o mundo com as coisas como eu gosto, e o mundo com as coisas como os outros gostam. Os dois mundos precisam ser respeitados.

Desde então, o Jardim das Margaridas se tornou uma referência para mim. Eu o vejo como um mapa para controlar a autoestima, a sensação de vazio, ambições, orientar planos e sonhos, crenças e vontades. Vou registrar aqui a ideia central passada no texto, de modo mais direto, de acordo com a minha atual interpretação dessa obra.


B.C.




O JARDIM

Você sente que a vida é uma maratona, mas por mais que treine, sempre próximo da linha de chegada, você tem uma câimbra? Se sente como um lampião no meio do mato, que tem sua luz própria, mas acaba atraindo um monte de insetos? Seus planos perfeitos não se concretizam e não sabe o porquê? Se esforça em prol de uma causa e não recebe o devido reconhecimento?
Isso acontece porque você está destruindo o jardim das margaridas. Sim, eu sei que acha que essa baboseira não faz sentido. Calma, eu posso explicar.
Se lembra de quando era criança e pegava uma margarida e ficava brincando: “bem-me-quer, mal-me-quer, bem-me-quer...”, e no fim você sabia se era bem ou se era mal (muitas vezes enganando a margarida para que a última pétala sempre acabasse no bem-me-quer)? Pois bem, você conseguia duas coisas: tinha a sua resposta e uma margarida morta.
O mesmo ocorre com tudo no mundo: com a saúde do nosso corpo e da nossa mente; com nossos familiares; com nosso trabalho; com nossos amigos. Tudo são pétalas de possibilidades. Imagine a seguinte situação: Você acaba de começar um relacionamento. Esse relacionamento é uma margarida que nasceu. Você pode cheirar a margarida, pode admirar suas cores e até conversar com ela igual a uma doida (vai me falar que você nunca conversou com plantas? Converse!), mas aí o que você faz? Você começa o bem-me-quer.
Logo, a primeira pétala é arrancada:
_ Será que ele tem outra?
E então a segunda:
_ Ele gosta de mim ou só quer me comer?
A terceira:
_ Esse tom de voz está escondendo alguma coisa.
E assim, vão-se as outras pétalas, e o que você tem agora? Você conseguiu duas coisas: você tem a sua resposta e uma margarida morta.
Agora pare e pense no que foi dito antes. Da mesma forma acontece com outras coisas. Pense em outras situações que se encaixam. Quantas margaridas foram destruídas nessa brincadeira de questionar demais? De pensar demais? Relacionamentos, trabalho, estudos, família? Quantas horas de sono você perdeu tentando achar respostas que só servem para destruir o jardim?
“(...) e lá estava eu, em meio a um vasto jardim, de flores despetaladas. Deus, eu só queria um abraço.” (O jardim das margaridas – Maoli)



O DONO DO JARDIM

Tem um segredo que você precisa saber, mas não pode contar para ninguém. O jardim não é seu. O jardim não é meu. Não é um jardim DE margaridas, é o jardim DAS margaridas. Elas são plantadas por Deus e donas de si próprias. Nós apenas devemos aproveitar o jardim, adubar, regar e proteger as pétalas com todas as nossas forças.
“Agora, Arjuna,
Levata-te e Luta!” (Bagavad gita)




VOCÊ TAMBÉM É UMA MARGARIDA

E quanto a sua visão de si mesma? Você e a sua autoestima já provaram todos os sentimentos conhecidos e muitos outros inimagináveis. Vocês já se amaram, já se odiaram, já caíram nos tapas uma com a outra, sem perceber que as duas são você. Já se magoaram a ponto de ficar de mal. Já fizeram as pazes. E quando tudo está bem, a história se repete. Agora pense em você como sendo uma das margaridas. Você é uma flor, com suas cores, seu aroma e suas funções importantes como as de produzir néctar, atrair polinizadores, além de gerar e receber pólen, mas então, o que você faz? Começa a brincadeira: “Bem-me-quero, mal-me-quero, bem-me-quero...”. Assim, como quando era criança, muitas vezes o mau-humor passa e você se esforça para chegar ao resultado bem-me-quero. Parabéns! Você conseguiu duas coisas: trabalhar sua autoestima e mais uma margarida destruída. Você.

“Não tenha medo, olhe a sua volta. Vê? É o maravilhoso jardim das margaridas! (...) Quantas cores, quantos aromas, quantos amores... inúmeros, inúmeros.” (O jardim das margaridas – Maoli)



ADUBE. REGUE. PROTEJA AS SUAS PRÓPRIAS PÉTALAS
Alimentar a autoestima é importante e necessário, afinal, como diz a sabedoria popular: “Se você não se amar, quem é que vai?”. Com isso podemos pensar: E se você se amar, quem mais vai? A resposta é: todo mundo! Então, não puxe suas próprias pétalas, nem as pétalas de ninguém. Viva para proteger o jardim das margaridas daqueles que tentam despetalá-lo.
Olhe no espelho e dê uma chamada de atenção em você mesma. Não seja brega dizendo: “Você é bonita! Você é forte! Eu posso, eu quero, eu consigo!”. Olhe no fundo dos seus olhos e diga: “PUTA QUE PARIU, COLEGA! Assim não dá!”. Mais umas broncas e depois, quando seu reflexo estiver meio murcho e com as orelhas baixas, aí sim. Vai! Seu reflexo merece. Você pegou pesado. Chame o reflexo de volta, dê uma piscadinha e diga: “Gostosa!”. Agora sim você está pronta: se levanta, sacuda a poeira e deixe o jardim renascer. Ele sempre renasce quando deixamos acontecer.


“Precisamos aceitar nossos defeitos, perdoar nossos erros e entender que somos, acima de tudo, amigos e parceiros que se uniram para, juntos, seguir o caminho da vida superando dificuldades. E se não der certo mesmo com toda essa compreensão, eu troco de marido, oras! Eu sou gostosa!
Vou viver mais em vez de fazer planos. Ser feliz e todas as outras conquistas será conseqüência!
Tenhamos todos um natal muuuito feliz e um ano novo cheio de saúde e prosperidade!!!
Minha lista de resoluções para o ano novo: Vou desligar o celular e fazer caminhada alguns dias na semana. E minha gordura localizada irá comigo ao clube sempre que ela quiser, graças a Deus!”           

A NOVA ROTINA

Para ajudar a manter o jardim saudável é preciso trabalhar uma nova rotina. Uma rotina leve e que traga satisfação. Para a sua elaboração, é preciso compreender que uma flor sozinha é admirada, mas não forma um jardim. É preciso flores diferentes, lembrando que diferença gera atritos e que atritos são necessários para lapidar qualquer material. Atritos não no sentido de brigas, mas no sentido de conviver com pessoas que enxergam o mundo de modo diferente do seu. Não existe “o” jeito certo. Existem vários jeitos certos. E cada modo de enxergar o mundo precisa ser respeitado. Se todos fossem como você o mundo seria um lugar melhor, mas logo você acharia tudo um tédio.
Calcule seus passos a curto, médio e longo prazo. Mas não faça planos de comprar a lua. Não planeje coisas legais se forem improváveis. A felicidade vem de pequenas vitórias e as grandes conquistas são consequência da pessoa feliz. Planeje o futuro de modo racional, calculando uma meta possível de ser alcançada por um ser humano médio e calculando também qual o preparo necessário para se chegar lá. Como por exemplo, adquirir um imóvel. Você não pode arrancar pétalas pensando “Eu vou conseguir, eu não vou conseguir, eu vou conseguir”. Planeje o básico: para comprar um imóvel é preciso dinheiro. Como se consegue dinheiro de modo honesto? Trabalhe! Seja útil e terá o retorno. Ser útil funciona como um adubo para o jardim. Faça alguma outra flor mais bonita e você obterá as respostas que procura.
É um ciclo. E quanto mais simples esse ciclo, mais satisfação trará.

“Simplicidade é o que há de mais sofisticado.”



A RECEITA DO BANQUETE

Responda de modo livre, porém objetivo, em uma linha:
1) Você se ama?

2) Você ama mais alguém? Quem?

3) Quem você não suportaria perder para sempre?

4) Quem você gostaria de fazer sorrir?

5) Quais companhias você gostaria de ter ao seu redor em seu tempo livre?

6) Quais lugares do Brasil e do mundo você gostaria de conhecer e ao lado de quem?

7) Qual esporte você vai praticar?

8) Qual música vai ser parte da trilha sonora da sua vida?

9) Qual seu prato favorito?

10) Qual aroma você gosta de sentir a ponto de fazer você sorrir?





  
CONCLUSÃO

Agora você já se conhece melhor.
Agora você já sabe que a vida é um jardim que tem dono e que cabe a nós cuidarmos dele.
Agora você já sabe que você é uma das tantas margaridas desse jardim, e que não deve retirar pétalas de outras flores e nem mesmo as suas.
Agora você já sabe que deve mudar sua rotina, não apenas para não destruir o jardim, como para evitar que outras pessoas o façam.
Agora você já sabe que deve pegar esse último questionário e segui-lo como a um roteiro.
Use-o como início da sua nova rotina, com a qual, você se sentirá mais forte para ajudar a cuidar do jardim.
Compare com as respostas do primeiro questionário, o qual serviu para você começar a se conhecer.  
Compre um caderno e registre a sua evolução pessoal.
Após um período, crie novas perguntas e se dedique às suas novas respostas.
Releia suas anotações, não como um diário, mas como uma receita de um banquete delicioso que você irá organizar.
E essa mesa farta que você está aprendendo a preparar, com tudo o que há de mais gostoso... É a sua vida.
Prepare-a e sirva-se à vontade!

“Dentro dos limites que Deus me permite, eu escrevo a minha vida como eu quiser.” (Divina em Páprica I)

B.C.

4 comentários:

  1. Para quem trabalha em escritório você é um excelente escritor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Jaquelina! Que bom que gostou!

      Excluir
  2. Belo teste. Teste que devemos fazer sempre em nossas: Sou um amigo, sou um chato?
    Enfim, uma delícia de leitura!
    Volto sempre.

    ResponderExcluir
  3. Sempre q leio esse texto (sim, li incontáveis vezes) sinto como se estivesse lendo um texto escrito para mim. Temos mania de querer ter o controle das margaridas e acabamos as matando. Quando as deixamos em seus campos e só vivemos, sem 'bem me queres" tudo fica bem mais fácil. Valeu, brow

    ResponderExcluir