terça-feira, 6 de março de 2012

TEM UMA GALINHA EM MEU QUINTAL

Hoje eu acordei com o cacarejar de uma galinha. Abri a janela para o ritual matinal de desejar bom dia ao dia e lá estava ela. Uma galinha em meu quintal. Olhei para ela e ela olhou para mim. Continuei olhando meio que sem acreditar e ela me ignorou e começou a bicar o chão. Algum vizinho era o dono do bicho, o que significava que ela não podia ficar ali. O que queria dizer que eu tinha que encontrar uma solução. Pensei nas cenas possíveis para resolver o caso. Todas tendiam a eu procurando nas casas vizinhas pelo dono do animal e nós dois cercando uma galinha dando olés e eu imaginando que o cacarejar era ela gargalhando da minha cara. Não. Sempre há um modo mais fácil. Abri o portão, deixei aberto e esperei a danada sair. Fechei o portão e pronto, bateu um peso na consciência.

A galinha tinha dono e poderia fazer falta na refeição de uma família. Logo calculei que fiz algo bom e salvei sua vida, e ri pensando em quem vai encontrá-la e se sentir esperto correndo atrás dela no meio da rua. E percebi como me distraio com uma facilidade incrível e perco meu tempo analisando baboseiras.

A dispersão de pensamentos vem com a falta de objetivos. Eu vivia em função de determinada situação que não existe mais. Desde então eu fiquei sem função. Precisava de um novo foco. O episódio da galinha me fez perceber como vivo em uma realidade extremamente simples e como é isso que eu quero para o resto da minha vida. Simplicidade é a minha meta. Essa galinha me fez um bem maior do que ela jamais irá imaginar.


O recomeço.


Bruno

8 comentários:

  1. Ana Carolina Santos6 de março de 2012 16:26

    Dois pontos: 1) readaptação é sempre difícil, ainda mais depois que se passa tanto tempo se dedicando à determinado objetivo que, infelizmente, nem sempre podemos controlar;
    2) onde acho uma galinha dessa??

    Sempre bom,BC! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, brother! E não se preocupe, sua galinha vai aparecer =)

      Excluir
  2. Como você é bom com as palavras! Seus textos são muito bem escritos e claros. Você tem talento! Parabéns :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Marcela! Bem vinda e volte sempre que puder!
      Abraço!

      Excluir
  3. Ola,
    eu aqui também já tive esse problema, apesar de morar em um centro urbano. As galinhas do vizinho viviam se suicidando pulando do muro direto para o meu quintal repleto de cachorros. Certa vez uma dessas galinhas caiu exatamente onde não tinha cachorro algum. Não tive dúvidas, abri o portão e fui induzindo ela até fugir como uma louca, rsrsrsrsr...

    Abraços Flávio
    --> Blog Telinha Critica <--

    ResponderExcluir
  4. Eu também destino boa parte do meu tempoa analisando as coisas e por muito tempo até mesmo coibi isso. Quando resolvi que isso era parte de mim foi quando me senti completo. As mentes mais ávidas, aquelas que espreitam a subjetividade da vida que procura lições nos prédios e sentido no movimento das nuvens, são aquelas mais sublimes. Eis que a essas mentes o mundo não é feito apenas de concreto, mas de concreto e vida. Bom texto. Espero sorte na simplicidade de sua vida. Mesmo que, a simplicidade não exista. Grande abraço! salpage.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "de concreto e vida". Concordo plenamente com seu comentário. Tb aceitei que não dá para mudar a nossa natureza, mas a busca pela simplicidade continua.
      Abraço!

      Excluir